Historial

O Desporto Adaptado em Angola data de 1993, altura em que um grupo de técnicos do Ministério da Juventude e Desportos deu corpo a um projecto de fomento no seio de pessoas que necessitam de cuidados especiais.

A aplicação prática deu-se a 2 de Janeiro de 1994 por ocasião da realização na província de Luanda do XXI meeting internacional para atletas convencionais, no estádio dos Coqueiros.

Dia 10 de Novembro do mesmo ano (1994) foi criada a Associação do Desporto para Deficientes de Angola (ADDA), passando a ser oficial a existência deste tipo de desporto no país.

Dois anos depois, em 1996, fundou-se a Federação Angolana de Desportos para Deficientes (FADD) e em 2000 o Comité Paralímpico Angolano (CPA).

A instituição tem na liderança a actual ministra do Ambiente, Maria de Fátima Jardim (presidente da mesa da Assembleia-geral), Leonel da Rocha Pinto (presidente de direcção), António da Luz (secretário-geral) e Telma Albertina da Cruz Silva (secretária-geral adjunta).

António da Luz, o actual vice-ministro para a política desportiva, Albino da Conceição, Bernardino Seixas, Joana Seixas, Lino Chimuco, Sapalo Muacassange se destacam na lista de fundadores da instituição.

De lá para cá, ou seja, de dia 10 de Novembro de 1994 a 10 de Novembro de 2015 o Desporto adaptado é praticado de Cabinda ao Cunene por via de 9 associações provinciais e 9 núcleos, num total de mais de 1500 atletas das modalidades de atletismo, futebol com muletas, basquetebol em cadeira de rodas e natação..

O atletismo é a modalidade de maior referência com cinco participações consecutivas em Jogos Paralímpicos: Atlanta`1996, Sidney`2000, Pequim`2004, Atenas`2008 e Londres`2012, seguindo-se o futebol com muleta vice-campeã do mundo México`2014.

Angola albergou em 2013 o Campeonato Africano de Basquetebol em Cadeira de Rodas, tendo como palco o pavilhão principal da Cidadela desportiva, um período ímpar marcado também pela primeira transmissão televisiva em directo no país no que ao desporto para deficientes diz respeito.

A nível de liderança além fronteira, Leonel da Rocha Pinto ocupa o cargo de presidente do Comité Paralímpico Africano (APC – sigla em inglês), enquanto António da Luz é vice-presidente da mesma organização continental para a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).